Sessão BizaRock

SESSÃO BIZAROCK

Terror, bizarrices e muito Rock N' Roll na nossa sessão BizaRock! Clique na imagem e confira!

Slide # 2

COMO TIRAR FOTOS DE FANTASMAS

Quer saber como capturar um fantasma em foto? Leia o nosso guia e aprenda!

Slide # 3

SAD SATAN, O JOGO DEMONÍACO DA DEEP WEB

Conheça o jogo Sad Satan, um game apavorante que surgiu na Deep Web e está deixando os internautas de cabelo em pé.

Slide # 4

SANATÓRIO DE WAVERLY HILLS

Conheça o assombrado sanatório de Waverly Hills, alvo de investigações e motivo de pavor para muitos americanos.

Slide # 5

SESSÃO BY CLAIRE THOUSAND'S

Leia contos, creepypastas e outros trabalhos de autoria da autora do blog.

sexta-feira, 2 de março de 2012

La Llorona


La Llorona (A Chorona, em português) é a mais famosa lenda mexicana. É tão marcante para os naturais deste país que, mesmo descendentes de imigrantes vivendo nos Estados Unidos da América e no Canadá, afirmam ter visto La Llorona nas margens dos rios.

Diz a lenda que, ao soar a meia-noite, se ouve no centro da Cidade do México um grito arrepiante, que ecoa há mais de 4 séculos. A lúgubre voz pertence a uma mulher que se lamenta: "Oh meus filhos, meus pobres desgraçados filhos!". É a Chorona, que, com a roupa rasgada e manchada de sangue, assombra a noite, chorando tragicamente a sua dor.

Segundo uma lenda mexicana que data de 1550, a voz pertence a D.Luísa de Olveros, uma hispano-índia de grande beleza que se tornou amante de um nobre, D.Nuño de Montesclaros, a quem amava profundamente e de quem teve 2 filhos, rezando pela chegada do dia em que se tornaria sua mulher. Inexplicavelmente, porém, a assíduidade e a paixão de D.Nuño começaram a abrandar de modo inquietante. Solitária e angustiada, Luísa decidiu finalmente uma noite, reunir toda a sua coragem e dirigir-se á opulenta mansão da poderosa e influente família Montesclaros, na esperança de ver o seu amante e pedir que voltasse.

Chegando lá, deparou-se com uma festa sumptuosa, em que D.Nuño celebrava brilhantemente o seu casamento que se realizara esse mesmo dia com uma espanhola de estirpe nobre. Luísa correu para ele, desfeita em lágrimas e presa da maior angústia, mas o nobre espanhol afastou-a, afirmando friamente que devido ao sangue índio que lhe corria nas veias, ela nunca poderia se tornar sua mulher.

Semilouca e possúida do mais profundo desespero, a jovem correu desvairadamente para casa, direita aos filhos, que assassinou com um pequeno punhal que lhe fora oferecido pelo amante. Depois saiu de casa, coberta de sangue, e precipitou-se pelas ruas ao gritos, até que foi presa e encarcerada numa cela. O corpo de D.Lúisa de Olveros, enforcada em público na Cidade do México, foi deixada balouçar como humilhação final durante 6 horas. Desde então, os gritos do seu fantasma tem ecoado pela Cidade do México, e assim continuarão, segundo diz a lenda, até ao fim dos tempos.

Aqueles que procuraram averiguar a causa do pranto, durante as noites de lua cheia, disseram que a claridade lhes permitia ver apenas uma espessa neblina rente ao solo e aquilo que parecia-se com uma mulher, vestida de branco com um véu cobrindo o rosto, percorrendo a cidade em todas as direções - sempre se detendo na Plaza Mayor, onde ajoelhava-se voltada para o oriente e, em seguida, levantava-se para continuar sua ronda. Ao chegar às margens do lago Texcoco, desaparecia. Poucos homens se arriscaram a aproximar-se do espectro fantasmagórico - aqueles que o fizeram sofreram com espantosas revelações, ou morreram.

Tenha bons sonhos, se puder...

0 comentarios:

Postar um comentário