Sessão BizaRock

SESSÃO BIZAROCK

Terror, bizarrices e muito Rock N' Roll na nossa sessão BizaRock! Clique na imagem e confira!

Slide # 2

COMO TIRAR FOTOS DE FANTASMAS

Quer saber como capturar um fantasma em foto? Leia o nosso guia e aprenda!

Slide # 3

SAD SATAN, O JOGO DEMONÍACO DA DEEP WEB

Conheça o jogo Sad Satan, um game apavorante que surgiu na Deep Web e está deixando os internautas de cabelo em pé.

Slide # 4

SANATÓRIO DE WAVERLY HILLS

Conheça o assombrado sanatório de Waverly Hills, alvo de investigações e motivo de pavor para muitos americanos.

Slide # 5

SESSÃO BY CLAIRE THOUSAND'S

Leia contos, creepypastas e outros trabalhos de autoria da autora do blog.

segunda-feira, 30 de abril de 2012

S.T.A.R.S Home - Capitulo II: 1º Dia

>> CAPÍTULO II <<

O Plano Bem-Sucedido:

Eu sou um homem que anda sozinho / E quando eu ando em uma estrada escura / De noite ou passeando pelo parque / Quando as luzes começam a mudar / Eu algumas vezes me sinto um pouco estranho / Um pouco ansioso quando está escuro / Medo do escuro, medo do escuro / Eu tenho medo constante de que algo está sempre perto / Medo do escuro, medo do escuro /Eu tenho uma fobia de que alguém está ali/
Você já correu seus dedos pela parede / E sentiu a pele de sua nuca arrepiar / Quando estava procurando a luz? / Algumas vezes quando você está com medo de olhar / No canto da sala / Você sente que alguma coisa está observando você / Você alguma vez já esteve sozinho a noite / Pensou que ouviu passos atrás de você /E virou de costas e não havia ninguém lá? /E a medida que você acelera seu passo / Você acha difícil olhar novamente / Porque você tem certeza de que alguém está ali / Assistindo filmes de terror na noite anterior / Falando sobre bruxas e folclore / Os problemas desconhecidos na sua mente / Talvez sua mente esteja pregando truques /Você sente, e subitamente seus olhos fixam / Em sombras dançantes do além/ ( Fear of The Dark - Iron Maiden)

1º Dia

- Hum. - Chris acorda. Agora, estava num quarto escuro, iluminado pela luz de um abajur. - Onde... Onde eu estou?
Ele observa ao seu redor e não vê seus amigos. Ele levanta-se e abre a porta do quarto, e uma luz forte de velas invade o local.
- Deus, que lugar é esse? Não pode ser a...

* * *

- Claire! Acorde! - Jill chamou-a; ambas haviam acordado no mesmo quarto.
Claire abriu os olhos com muita dificuldade.
- Onde... a gente... está? Cadê o meu irmão?
- Eu não sei, vamos ter que procurá-los.
Claire acenou e Jill abriu a porta do quarto, não acreditando no que estava vendo.

* * *

- O mesmo quarto. Do jeito que estava, desde a última vez que vim aqui. - Rebecca sussurrou, acordando sua companheira de quarto.
- Quem é você?
- Eu é que pergunto. - disse Rebecca.
- Meu nome é Ada Wong. E o seu?
- Rebecca Chambers. Sou do antigo esquadrão S.T.A.R.S..
- Hum... Minha cabeça está doendo.
- Onde será que estão os outros?
- Que outros? - disse Ada, franzindo as sobrancelhas.
- Os meus amigos. Desapareceram. Devem... estar nos outros quartos.
- Outros quartos? Você já conhece esse lugar?

* * *

Chris desceu o lance de escadas, onde Brad e Alfred o esperavam no hall principal.
- Não acredito nisso! Estamos... - Chris olhou para os lados. - Cadê o resto do pessoal?
- Não sei, devem estar por aí. - disse Brad, tremendo de medo.
No mesmo instante, Jill e Claire desceram o lance de escadas, ambas correndo na direção de Chris.
- Chris! Que bom que te achamos! - disse Claire.
Jill olhou em volta, boquiaberta.
- Mas eu pensei que...
- Eu também, se é que estamos falando da mesma coisa.
- Impossível... Tenho certeza que tinha ido tudo para os ares.
- Às vezes não, Jill. Às vezes o traste que nos trouxe aqui reconstruiu de novo. Com algum cúmplice, é claro.
Wesker surgiu de uma das portas do local.
- Eu sabia que você estava metido nisso! - gritou Chris.
- O quê?
- Foi você quem nos trouxe para cá, não é?
- Não sei do que está falando, seu idiota. Eu também caí na mesma cilada que vocês.
- Mentiroso! Eu vou quebrar a sua cara! - disse Chris, querendo partir para cima de Wesker.
- Calma, Chris. Pára! Pára com isso! - Claire, com a ajuda de Jill e Brad, seguravam o rapaz.
- Com briga não resolveremos nada. - disse Jill.
- A Jill está certa. Temos que encontrar os outros. - disse Claire.
- Eu não quero encontrar ninguém, só a saída dessa droga de lugar.
Rebecca e Ada desceram as escadas do local, juntando-se aos outros.
- Jill! Chris! Vocês estão acreditando nisso?
- Pra falar a verdade, não! Não creio que viemos parar aqui de novo. - disse Chris, pasmo.
- De volta à mansão... a mansão na floresta. Não pode ser!
- Certo, agora, que tal se achássemos um jeito de cair fora? - disse Brad, tremendo.
- Certo. Vamos pensar.
O silêncio tomou conta do hall por alguns minutos, até que uma estranha voz eletrônica surgiu:
- Boa noite!
Todos olhavam para os lados, procurando de onde vinha a voz.
- Quem falou? - disse Jill.
- Não tentem me procurar, meu nome é Blue King, e serei o mestre de vocês.
- MESTRE? Que palhaçada é essa? - gritou Wesker.
- Será que você pode nos dizer porque fomos trazidos para esse lugar? - disse Chris.
- Para solucionar as dúvidas, sugiro que sigam até a sala de jantar.
- Vamos! - disse Jill, acompanhando Chris na frente.
Na sala de jantar, havia oito pratos sobre a mesa, e apenas oito cadeiras. Todos os pratos estavam cheios com carnes suculentas e sobre os pratos de sobremesas, havia bolos e manjares. A lareira estava acesa, e os copos estavam cheios de vinho. O relógio badalava constantemente e as velas sobre os candelabros estavam novas e iluminavam perfeitamente o lugar.
- Sentem-se! - a voz de Blue King surgiu novamente.
- Houve uma troca de olhares entre os oito ali presentes.
- É uma ordem. - disse Blue King novamente.
Todos se sentaram, tomando os lugares onde seus nomes estavam escritos.
Próximos aos pratos, haviam folhetos dourados.
- Leiam seus folhetos em voz alta, começando por você, srta. Wong. Vai ler até que eu peça para parar. - Blue King ordenou.
Ada pegou o papel com a mão trêmula e começou a ler:
- Guia da Propriedade Spencer. Sejam Bem-Vindos. Localizada na floresta de Raccoon City, essa mansão é repleta de quebra cabeças, cortesia de nossa Umbrella Inc. Em cada canto, vocês encontrarão segredos e enigmas, e enfrentarão inimigos cada vez mais mortais.A alguns metros dali, ainda dentro da propriedade, encontra-se uma casa de hóspedes, também repleta de segredos e obstáculos. Para se chegar até ela, devem passar por um quintal, um bom lugar para tentar comunicação por rádio com algum helicóptero que pode estar passando pelo local.
- Prossiga a leitura, Sr. Ashford.
- Na mansão e na casa de hóspedes, existem várias camas; se algum dos nossos "hóspedes" se atrever a dormir. Existem também alguns banheiros, onde podem atender ao chamado da natureza, pois não são feitos de ferro. Na cozinha localizada no primeiro andar, podem tentar preparar alguns alimentos, se ainda tiverem apetite após enfrentarem zumbis podres.
Claire trocou um olhar preocupado com Jill.
- Prossiga, srta. Redfield. Vejo que está bem nervosa, e quem sabe lendo, você não se acalme um pouco...
- Abaixo do solo da mansão, existe um labirinto de pedras úmidas e sujas, o lugar preferido dos "hunters". Passando pelo labirinto, vocês encontrarão um elevador que os levará metros e mais metros abaixo do solo, para o laboratório secreto da Umbrella, de onde vieram todas as criaturas que os atormentarão durante sua "estadia". Não tentem sair para o lado de fora, é morte certa, pelas garras das criaturas que se escondem na grama alta dos arredores dessa casa.
- Sr. Redfield, leia o último parágrafo, por favor.
- A Umbrella Inc. deseja que aproveitem sua estadia nessa "prisão de luxo" e que não tenham uma morte "muito" dolorosa.
- Umbrella Inc.? - disse Jill, espantada.
- Sem mais perguntas agora. Tenham um bom apetite. Imagino o quanto estão famintos. - disse Blue King.
- Vocês acham que devemos comer? - disse Claire.
- Alguém tem que provar? - disse Wesker.
- Se não matar, é porque não é venenoso. - disse Ada.
- Ah, claro! Eu duvido que alguém se ofereça para morrer primeiro, não é? - disse Chris.
- Eu vou provar. - disse Rebecca.
- Ahn? Ficou louca? - disse Chris.
- Alguém tem que provar, certo?
- E se você morre? - disse Jill.
- De um jeito ou de outro, iremos morrer aqui. Prefiro que seja logo. - disse Rebecca, colocando um pedaço de carne na boca. Os olhares ficaram apreensivos sobre ela. Segundos depois, a jovem engoliu a comida.
- E então? - disse Claire.
Rebecca fechou os olhos, abrindo-os alguns segundos depois.
- Podem comer! Está ótima!
O jantar finalmente começou. A comida estava deliciosa, o vinho perfeito. Faltavam apenas as sobremesas.
Passos surgiram, vindo da sala ao lado.
- Hum? - disse Jill.
- O que foi? - disse Chris, olhando para ela.
- Você ouviu isso?
- Uh-huh.
Mais passos, dessa vez todos pararam de comer.
- Tem alguém na sala ao lado. - disse Claire.
- Ninguém vai até lá desarmado. - disse Jill.
- Eu vou, basta eu carregar meu... - Chris colocou a mão no bolso. - Cadê o meu revólver?
- O quê? Desapareceu? - disse Jill.
- Uh-huh. Eu juro que trouxe e... Alguém deve ter tirado do meu bolso.
- Ai, não! Vamos morrer! - disse Brad, apavorado.
- Pois ouçam bem. Eu ordeno que alguém vá até aquela sala e veja quem está lá. - disse Alfred.
Todos o encararam com ódio.
- Por que não vai você, então? - disse Claire.
- Desaforada como sempre, não é? Vá você, garota!
- Olha como fala com a minha irmã!
- Silêncio! - Wesker gritou. Todos olharam para ele. - Eu vou.
- Mas você não está armado. - disse Ada.
- Mas eu vou assim mesmo. Sei me cuidar.
Ele seguiu até a porta e a abriu, e dois zumbis surgiram, para o espanto de todos.
Alfred e Brad correram, Jill, Chris, Rebecca e Claire equiparam-se com facas e pratos, Ada pegou uma cadeira e Wesker lutava contra eles, levando a melhor, ao arrancar-lhes as cabeças.
- Eca! Perdi a fome! - disse Brad, e Alfred concordou.
- Eu quero ir embora! - disse Alfred, choramingando.
- Dá para as duas mocinhas pararem? Vocês são homens ou o quê? - disse Jill. - Se querem sobreviver, terão que nos ajudar.
- Vejo que conseguiram acabar com os dois zumbis. - a voz de Blue King reapareceu.
- Como você sabe? - disse Ada. - Por acaso está nos vigiando?
- Exatamente. 24 horas por dia, 7 dias por semana. Vejo todos os passos de vocês, de um por um. Sei tudo sobre cada um dos presentes, sei de seus medos e suas façanhas.
- Será que poderá nos dizer por que estamos aqui? - disse Jill.
- Porque foram escolhidos.
- Só por isso? - Jill sorriu sarcasticamente.
- Não é hora de responder perguntas. Sou eu quem dá as ordens aqui.
Os oito ficaram calados, apenas se entreolhando.
- Serão divididos em dois grupos de quatro componentes. Cada grupo terá um líder, e esse líder terá que ser obedecido custe o que custar. Eu escolherei o líder, e assim que eu mandar, o atual líder não assumirá mais seu posto e eu escolherei outro, mudando também os grupos, se necessário. Alguma dúvida?
- Não. - responderam os oito em uníssono.
- Ótimo.
- Primeiro grupo. Jill, Chris, Wesker e Rebecca. Segundo grupo. Claire, Ada, Alfred e Brad. O líder do primeiro grupo será...
Blue King fez uma pausa, deixando a todos na expectativa.
- Wesker.
Jill, Chris e Rebecca se entreolharam.
- Eu vou ter que obedecer ao Wesker? - Chris pensou, desesperado.
- Segundo grupo, o líder será... Claire.
- Ai, meu Deus! - ela suspirou, e lágrimas saltaram de seus olhos.
- Sr. Blue King… - disse Chris.
- Sim?
- Não tem como mudar os grupos?
- Não!
Chris e Wesker se encararam, ambos fechando os punhos para conter o ódio.
Grupos formados e líderes escolhidos, agora que começaria o verdadeiro pesadelo dos oito participantes.

* * *

- As missões começarão amanhã. A prioridade agora é descansarem. Isso é, se conseguirem. - disse Blue King, sorrindo sarcasticamente.
Todos seguiram para um dos quartos, o quarto de Chris. Lá, fariam uma reunião para que pudessem incentivar um ao outro.
- Bem... - disse Jill. - Eu admito estar apavorada, mas... Bom, nunca passei por nada parecido antes.
- Acho que ninguém aqui passou. - disse Wesker.
- É uma obra demoníaca, um caminho sem volta. - disse Alfred, gritando a plenos pulmões.
- Isso para você, seu molenga, pois para mim não é. - disse Wesker, franzindo as sobrancelhas.
- Mais respeito comigo, insolente. Eu sou Alfred Ashford, chefe da tradicional família Ashford.
- Grande porcaria. Não ligo a mínima para o que você é ou deixa de ser.
- Ah, que insolente! - disse Alfred, se sentindo ofendido. - Me deve desculpas, rapaz.
- Não te devo nada, se não calar essa boca agora vou te dever uma boa surra. - disse Wesker, fechando os punhos.
- Calma, gente! - disse Jill. - Viemos aqui tentar nos unir, e não para brigarmos. Já se deram conta de que estamos sozinhos nessa mansão com zumbis soltos por aí, uma voz que aparece e desaparece toda hora e que se auto-denomina nosso "chefe"? Estaremos indo para o fim se não começarmos a nos unir. Precisamos nos tornar companheiros, pelo menos até irmos embora dessa droga de lugar. Alguém discorda?
- Eu! - disse Alfred. - Você é uma garota idiota que não sabe o que diz.
- Me lembre de te encher de porrada quando terminar isso, seu palhaço! - disse Chris.
- Calma, Chris! - Jill pediu.
- Ele te ofendeu, você viu?
- Então você toma as dores dela?
- Eu tomo, por quê?
- GENTE! - Jill gritou, empurrando Alfred, que queria enfrentar Chris, mesmo sabendo que levaria a pior. - Você cale-se, Alfred! Sua opinião vai começar a se tornar dispensável entre nós!
Ele deu de ombros, sem encarar a jovem.
- Creio que era só isso. Por hoje, acho melhor irmos dormir.
- Uma boa idéia. - a voz de Blue King surgiu. - Cada um de volta ao quarto onde despertou há algumas horas.
- Mas... - disse Claire. - Quero ficar com o meu irmão.
- Sinto muito, jovem. Obedeçam! Agora!
Todos se entreolharam e foram saindo do quarto de Chris.
- Wesker? - disse Blue King. - Você e Chris ficam no mesmo quarto.
- O QUÊ? Não pode ser! Já é brincadeira de mau gosto e...
- Senhor Redfield, boa noite! O mesmo para o senhor Wesker!
Chris e Wesker se encararam, cerrando os dentes de tanto ódio. Inimigos mortais dormindo no mesmo quarto era uma coisa intolerável.

Tenha bons sonhos, se puder...

0 comentarios:

Postar um comentário