Sessão BizaRock

SESSÃO BIZAROCK

Terror, bizarrices e muito Rock N' Roll na nossa sessão BizaRock! Clique na imagem e confira!

Slide # 2

COMO TIRAR FOTOS DE FANTASMAS

Quer saber como capturar um fantasma em foto? Leia o nosso guia e aprenda!

Slide # 3

SAD SATAN, O JOGO DEMONÍACO DA DEEP WEB

Conheça o jogo Sad Satan, um game apavorante que surgiu na Deep Web e está deixando os internautas de cabelo em pé.

Slide # 4

SANATÓRIO DE WAVERLY HILLS

Conheça o assombrado sanatório de Waverly Hills, alvo de investigações e motivo de pavor para muitos americanos.

Slide # 5

SESSÃO BY CLAIRE THOUSAND'S

Leia contos, creepypastas e outros trabalhos de autoria da autora do blog.

terça-feira, 19 de março de 2013

6 experimentos cientificos assustadores


Acho que todos vocês já ouviram falar dos famosos cientistas loucos, não é mesmo?

Felizmente, essa fantasia de gênios que criam coisas assustadoras para fazer mal à humanidade fica só em livros e filmes – pelo menos parcialmente.

Em parte porque sim, eles existem, mas não são do tipo Frankenstein ou algo parecido, eles apenas fazem experiências bizarras e assustadoras.

Abaixo, mostraremos alguns cientistas com tendências malucas, confira:

Levando tiros para garantir experimentos aos cientistas


John Deering foi preso e condenado à morte por matar uma pessoa durante um assalto. Quando estava na prisão uns cientistas malucos pediram para ele ser cobaia de um experimento. Já que ele ia morrer mesmo, nada melhor do que ser útil para a humanidade, não é mesmo? Acho que esse era o pensamento dos cientistas.

A proposta era monitorar os batimentos cardíacos de John enquanto ele levava alguns tiros. Interessante?

Em outubro de 1938 ele teve equipamentos eletromagnéticos instalados em seu peito e levou 5 tiros de atiradores profissionais da cidade de Salt Lake, Estados Unidos.

Segundo os especialistas a pesquisa foi boa para registrar o efeito do medo e a influência dele nos batimentos cardíacos.

Os cientistas afirmaram que os batimentos de John foram de 72 bpm para 180 bpm.

Testando a safadeza do peru


Dois estudiosos, sem noção, da Universidade da Pensilvânia, decidiram fazer uma pesquisa para saberem qual é o menor estímulo preciso para excitar um peru.

De início eles usaram uma perua e ele manifestou interesse. Depois eles foram removendo algumas partes do corpo do animal e o resultado continuava o mesmo. Até que os pesquisadores colocaram só a cabeça da perua em um palito, mas para o peru isso não fez a menor diferença, ele ainda quis se “agarrar” a ela. Traduzindo… Peru safado!

Cachorro de duas cabeças


Esse é o mais terrível de todos. Em 1954, o maluco Vladimir Demikhov, decidiu implantar uma cabeça de outro cachorro no pescoço de um pastor alemão. A monstruosidade marcou muitas pessoas e era quase impossível acreditar que Vladimir tinha feito algo tão assustador.

A URSS comemorou muito e afirmou que seus médicos eram superiores por terem feito tal experimento, mas dos 20 cães operados, todos morreram rapidamente.

Transplante de cabeça em um macaco


Depois de ver que o cientista russo criou o cachorro de duas cabeças, pesquisadores americanos decidiram entrar na briga. Foi quando Robert White removeu a cabeça de um macaco e implantou em outro corpo.

O animal acordou e seguiu o pesquisador demonstrando raiva no olhar. Pena que ele só sobreviveu 36 horas e não pode se vingar…

Dando choque em defuntos


Em 1780, depois que cientistas descobriram que a eletricidade fazia os membros de um sapo morto se mexerem, eles decidiram tentar o mesmo em cadáveres humanos.

Giovani Aldini percorreu a Europa apresentando shows bizarros, onde ele aplicava polos de uma bateria de 120 volts no corpo de alguns defuntos.

Acreditem ou não, Giovani colocou os fios elétricos no reto e na orelha do cadáver, rapidamente o morto se balançou inteirinho. A impressão era de que ele estava ressuscitando. Em outra tentativa, ele colocou os fios na boca e em uma das orelhas do defunto, e os músculos se estremeceram e o olho esquerdo ficou aberto.

Mas nada de voltarem a vida…

Nada como beber vômito pela ciência


Stubbins Ffirth tentou por muito tempo provar sua teoria de que a febre amarela não era contagiosa.

Engraçado que para provar suas ideias, ele decidiu se expor a doença. Stubbins fez cortes em seus braços e jogou vômito com sangue dos portadores da doença. Depois pingou gotas do vomito em seus olhos e inalou o vapor da mesma substância.

Por incrível que pareça Stubbins continuou saudável, mas hoje sabemos que ele estava muito enganado. E que se ele tivesse colocado o vomito na corrente sanguínea teria sido contaminado. De qualquer forma ele ter sobrevivido foi um milagre!

Fonte: Minilua

---

Vish, a vida não tá fácil nem pro perus hein kkkkk. Medo da história do macaco... O.o

Tenha bons sonhos, se puder...

7 comentarios:

  1. Nova seguidora!
    Tive lendo seus posts e adorei.

    http://dianaisabelpinto.blogspot.pt/
    Se puder dar uma olhada. Agradeço desde já.

    Bjs :)

    ResponderExcluir
  2. noossa, esse povo estuda pra q? pra ficar mais idiota?

    ResponderExcluir
  3. Beber vômito pela ciência...não obrigado...rsrrsrs.

    ResponderExcluir
  4. legal

    adoro o blog, acesso todo dia, parabens, bjs

    ResponderExcluir
  5. adorei esse post kkk
    bjs e parabens pelo blog

    ResponderExcluir
  6. muito legal a experiença com os corpos mortos, aushaushauhs

    ResponderExcluir
  7. Talvez se eles tivessem usado mais eletricidade nos cadáveres, tivessem voltado a vida kkkkkkkkk

    EU AMO O RACIOCÍNIO HUMANO HEHE

    ResponderExcluir